onda de calor provocou incêndios extremos na Europa
Onda de calor provocou incêndios extremos na Europa

O que são eventos climáticos extremos e as causas

As mudanças climáticas e os eventos climáticos extremos estão se tornando cada vez mais comuns e mais intensos em todo o mundo. O Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC), uma organização internacional composta por cientistas e especialistas em clima, tem sido incisivo em sua afirmação de que as alterações climáticas são a principal causa por trás dessa tendência preocupante.

Em seu relatório mais recente, publicado em agosto de 2021, o IPCC mais uma vez apontou o dedo diretamente para as alterações climáticas como a razão para o aumento dos eventos climáticos extremos. O relatório também atribuiu parte da culpa à humanidade pelo aumento das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), que por sua vez são responsáveis pelo aquecimento global. As atividades humanas, como a queima de combustíveis fósseis e o desmatamento, têm contribuído para o aumento dos níveis desses gases na atmosfera, levando a mudanças significativas no clima global.

 O que são  eventos climáticos extremos?

Eventos extremos são ocorrências de condições meteorológicas ou climáticas invulgarmente severas que podem causar impactos devastadores nas comunidades e nos ecossistemas agrícolas e naturais. Os eventos extremos relacionados com o clima são frequentemente de curta duração e incluem ondas de calor, geadas, fortes chuvas, tornados, ciclones tropicais e inundações. Os eventos extremos relacionados com o clima persistem durante mais tempo do que os eventos meteorológicos ou surgem da acumulação de eventos meteorológicos ou climáticos que persistem durante um longo período de tempo. Os exemplos incluem a seca resultante de longos períodos de precipitação abaixo do normal ou surtos de incêndios florestais quando um período prolongado de seca e calor se segue a uma estação de crescimento anormalmente húmida e produtiva.

Esses eventos extremos estão se tornando cada vez mais frequentes e intensos devido às mudanças climáticas, que estão afetando nosso planeta de várias maneiras. As altas temperaturas estão levando ao aumento das ondas de calor, tornando-as mais frequentes e prolongadas. Isso pode levar a danos à saúde humana, falta de água e incêndios florestais.

No verão de 2021, uma onda de calor extrema no Mediterrâneo oriental — com temperaturas de cerca de 47 ºC na Grécia que durou vários dias — foi seguida por uma série de incêndios florestais que devastaram milhares de hectares. As imagens chocantes trouxeram de volta memórias daquelas de apenas um ano antes, na Austrália. E o facto é que nos últimos anos as catástrofes causadas por fenómenos meteorológicos extremos têm sido uma ocorrência cada vez mais habitual, seja sob a forma de ondas de calor, inundações ou secas

Os cientistas geralmente definem um evento extremo usando uma de duas abordagens. A primeira abordagem examina a probabilidade de um evento de uma determinada magnitude ocorrer dentro de um determinado período de referência (por exemplo, 1961 – 1990); aqui, um evento extremo tem uma baixa probabilidade de ocorrer em um determinado local (<10%) e é normalmente de alta intensidade. Este tipo de abordagem probabilística é aplicada na atribuição de eventos extremos para determinar se o aquecimento global está a provocar mudanças na frequência e intensidade dos eventos extremos.

A segunda abordagem é mais amplamente aplicada pela comunidade de adaptação climática e utiliza limiares relacionados com o impacto para determinar se um evento é extremo e para informar soluções adaptativas. Um exemplo comum aqui é o número de dias consecutivos acima de 100˚F, que pode ser usado para quantificar ondas de calor. É claro que os impactos associados a um limite de 100˚F variarão de acordo com a localização – o que pode ser um evento extremo num local (por exemplo, Burlington, VT) pode estar dentro da faixa normal em outro lugar (por exemplo, Phoenix, AZ). Assim, os limites são frequentemente específicos do local.

Tipos de eventos climáticos extremos

Os eventos climáticos extremos podem ser agrupados da seguinte forma:

Ondas de calor

O calor extremo, na forma deste fenómeno que envolve altas temperaturas que duram vários dias, tornou-se cada vez mais frequente e intenso na maioria das regiões da Terra desde 1950, segundo o relatório do IPCC.

 Ondas de frio

Ao contrário das ondas de calor, este fenómeno, que envolve vários dias de baixas temperaturas, tornou-se menos frequente, segundo o IPCC. No entanto, isto não significa o fim de situações inusitadas, como a tempestade Philomena, que paralisou Espanha durante vários dias.

 Ciclones tropicais

De acordo com o IPCC, estes tornaram-se mais frequentes nas últimas quatro décadas. Além disso, estão a revelar-se mais destrutivos, pois resultam em furacões de categoria superior. Tudo isto poderá estar relacionado com o aumento da temperatura da superfície do mar.

Secas

A falta de chuva em certas zonas do mundo, como o Corno de África, é cada vez mais pronunciada, prolongando assim este fenómeno e forçando milhares de pessoas a emigrar e a tornarem-se refugiados climáticos. Além disso, a escassez de água também pode resultar em confrontos violentos.

 Chuvas torrenciais

Ao mesmo tempo que pode haver menos precipitação generalizada devido às alterações climáticas, a chuva que cai pode tornar-se mais intensa, resultando em tufões capazes de causar inundações extremamente destrutivas e aumento dos cursos de água.