Presidente russo Vladimir Putin em sua residência em Novo-Ogaryovo, nos arredores de Moscou, Rússia, sexta-feira, 10 de abril de 2020. Putin, que geralmente lidera com grande alarde em tempos de crise, ficou principalmente em segundo plano durante a crise do COVID-19.

Após meses de negação, a Rússia admite que o coronavírus avança

As autoridades de Moscou disseram na sexta-feira que um aumento nos casos de coronavírus lá – ainda relativamente poucos em comparação com Nova York, mas  cotninua aumentando rapidamente – já havia levado o sistema de saúde da cidade ao seu limite.

Advertindo que o surto na capital russa estava longe de atingir seu auge, Anastasia Rakova, vice-prefeito responsável pela saúde, disse que o número de pessoas hospitalizadas com a doença relacionada ao vírus em Moscou mais do que dobrou na semana passada para 6.500 . Quase metade das pessoas infectadas tem menos de 45 anos.

O prefeito da cidade, Sergei Sobyanin, deu outro alarme, dizendo que o vírus “está ganhando força” e que “a situação está se tornando cada vez mais problemática”.

Uma enxurrada de más notícias na sexta-feira sobre o surto indicou que a Rússia, relativamente poupada até agora dos estragos do vírus, começou no mesmo caminho angustiante seguido semanas atrás por países atingidos como Itália e agora os Estados Unidos. Isso frustrou as esperanças no Kremlin de que sua decisão no final de janeiro de fechar a longa fronteira da Rússia com a China, a fonte original do vírus, e depois limitar as viagens da Europa continha o surto.

O presidente Vladimir Putin, que geralmente lidera com grande alarde em tempos de crise, ficou em segundo plano. Ele se retirou para sua residência nos arredores de Moscou, deixando Sobyanin e o primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Mishustin, para enfrentar uma crise de saúde que agora parece agravada.

Rakova alertou que o serviço de ambulâncias e os hospitais da capital estavam agora limitados. O vírus também começou a causar estragos no vasto interior da Rússia, onde o sistema de saúde em ruínas parece estar contribuindo para a disseminação do patógeno.

Moscou registrou 1.124 novos casos confirmados de infecções por coronavírus na sexta-feira, elevando o total na cidade para 7.822. As autoridades da capital russa, que representam dois terços de todos os casos no país, ordenaram na semana passada que os residentes fiquem em casa, exceto para comprar comida e remédios e passear com seus cães a menos de 100 metros de sua residência. Mas, ansiosos para evitar muitas perturbações na economia, pouco fizeram para impor as restrições.