De acordo com a Igreja Católica, São João é identificado como João Batista, figura bíblica venerada como o precursor de Jesus Cristo

A Origem e a Celebração do Dia de São João no Brasil

As festas juninas, que têm seu ponto alto no Dia de São João no próximo sábado, 24 de junho, são uma rica expressão da cultura popular brasileira, com raízes na religiosidade da Península Ibérica. A celebração, que chegou ao Brasil com os colonizadores portugueses, incorporou elementos da cultura local, como as comidas típicas feitas a partir do milho, um dos principais produtos da colheita dessa época do ano.

De acordo com a Igreja Católica, São João é identificado como João Batista, figura bíblica venerada como o precursor de Jesus Cristo e o último dos profetas. João Batista é conhecido por ter anunciado a chegada de Jesus e por batizá-lo nas águas do Rio Jordão. A tradição católica também conta que Santa Isabel, mãe de João Batista, e Maria, mãe de Jesus, eram primas.

As homenagens aos santos juninos no Brasil começam com Santo Antônio, conhecido como o santo casamenteiro, no dia 13 de junho. Segue-se a celebração do nascimento de São João no dia 24 e, finalmente, São Pedro é homenageado no dia 29 de junho, encerrando o mês de festividades que incluem danças, fogueiras e pratos típicos.

A fogueira de São João, um dos símbolos mais emblemáticos das festas juninas, é tradicionalmente acesa na noite de 23 de junho. Segundo a crença, Santa Isabel teria acendido uma fogueira para notificar Maria sobre o nascimento de João. Além do significado religioso, a fogueira tem uma origem pagã, relacionada às celebrações de deuses da natureza e da fertilidade e ao solstício de verão no hemisfério norte. No Brasil, a fogueira ganha um significado especial com a chegada do solstício de inverno, simbolizando a união e o calor humano.

As festas juninas, conhecidas em Portugal como “Festa Joanina”, rapidamente se tornaram populares no Brasil, especialmente no Nordeste, onde a cultura rural é celebrada com grande entusiasmo. A festa é também uma ocasião para agradecer pela colheita, uma tradição que remonta a tempos anteriores à Idade Média, quando os camponeses se reuniam ao redor de fogueiras.

A música de Luiz Gonzaga, “A Festa do Milho”, captura a essência dessas celebrações, destacando a importância do milho e dos pratos feitos a partir dele, como pamonha e canjica. As festas juninas transcendem o aspecto religioso e se tornaram uma das maiores manifestações folclóricas do Brasil. Cidades como Campina Grande, na Paraíba, e Caruaru, em Pernambuco, competem pelo título de “maior São João do mundo”, e a data é considerada feriado regional.

As festas juninas são, portanto, um mosaico cultural que celebra a fé, a tradição e a alegria do povo brasileiro, mantendo vivas as raízes históricas e fortalecendo o senso de comunidade e identidade nacional.